TRADIÇÃO

Palavras, substância, ideia,

persistentes e danosos vermes

da memória, em várias chamas

variamente ardendo, com sôfrega

raiva vos devoro.

 

                          Em vós

mudado, de vós moldarei,

porque minhas, palavras

outras e únicas.

                          Louco

 

ou iluminado, a baba

incandescente tombar-me-á

incólume nos lábios febris,

ouro e sangue, sangue e ouro.

Artífice elusivo do sonho,

 

cinábrio do torvelinho e da noite,

tal poder pode mais em mim

do que eu poder posso.

Instrumento, embora, querer

tê-lo-ei querido.

 

                            Mas querer

quis mais que eu.

                            E o que terei

querido, quer em mim

e seu poder é cumpri-lo.

 

Rui Knopfli, O Corpo de Atena (1984)

publicado por RAA às 13:24 | comentar | favorito